Pronampe: Após expansão recorde do crédito, pequenas empresas têm dificuldades de pagar parcelas

Compartilhe
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram
Pronampe: Após expansão recorde do crédito, pequenas empresas têm dificuldades de pagar parcelas

BRASÍLIA — O endividamento e a dificuldade para honrar dívidas não estão restritos às famílias. Afetam de forma parecida os pequenos negócios, que tiveram inadimplência de 3,11% em agosto deste ano, o maior nível desde junho de 2020. Há um ano, era cerca de 2%.

A modalidade de crédito mais cara para as empresas, o cheque especial, é cada vez mais usada. Atingiu R$ 21,8 bilhões em outubro, o maior volume desde julho de 2015 e alta de 10,43% em relação a outubro de 2019.

O cenário é difícil para quem contraiu empréstimo do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), criado para amenizar o impacto da pandemia nos negócios. Os juros são atrelados à Selic, que eram de 2% e agora estão em 7,75%. E devem subir mais em 2022. Há ainda a taxa fixa de 6% ao ano.

— Os empréstimos do Pronampe vão ficar bem mais caros no ano que vem do que foram até agora, e isso pode, por um lado, desincentivar a tomada de crédito no programa se as expectativas de aumento da Selic se confirmarem — avalia o analista Giovanni Bevilaqua, da área de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae.

A pedagoga Vivian Bittencourt, dona da Estude Mais, empresa de reforço escolar em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, vive problemas com o programa. Na pandemia, ela viu o número de alunos minguar e precisou de crédito para contas e fluxo de caixa. Conseguiu um empréstimo de R$ 34 mil via Pronampe em setembro de 2020.

Boa parte do dinheiro foi usada para pagar impostos e serviços de contabilidade atrasados. O restante foi para despesas pessoais. Com os funcionários, fez acordos de suspensão de jornada e salário.

Planos frustrados
O arrefecimento da pandemia trouxe algum otimismo, mas não os alunos de volta, devido à crise econômica, com a renda das famílias reduzida. Vencida a carência, Vivian começou a pagar o empréstimo em junho deste ano.

Em outubro, decidiu suspender por cinco meses. Foi necessário, porque ela já está rolando outra dívida bancária, tem dificuldade para pagar impostos e está com o aluguel atrasado.

— Trabalho com reforço escolar desde 2006 e ia bem de forma autônoma, já tinha uma estrutura sólida. Dei o passo de formalizar a empresa em 2018. Meu marido pediu demissão em fevereiro de 2020 para trabalhar comigo, e logo depois aconteceu tudo isso —lamenta.

Agora, o marido de Vivian, que é químico industrial, está trabalhando como motorista de aplicativo. Ela pensa em vender o negócio para quitar as dívidas. Se fizer isso, voltará a trabalhar em escola, com carteira assinada, ou dando aula particular.

O professor da FGV Lauro Gonzales, coordenador do Centro de Estudos de Microfinanças e Inclusão, vê risco de piora para as empresas.

— Há uma série de incertezas que deixa o cenário em 2022 bastante complicado, e isso vai ter uma influência muito forte sobre o mercado de crédito, no conjunto de variáveis de risco — avalia o especialista, citando a incerteza eleitoral, o mercado de trabalho debilitado, a falta de perspectiva para a recuperação da economia e a condução da política fiscal pelo governo.

Fonte: O Globo

Autor: Gabriel Shinohara e Fernanda Trisotto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outros posts