Publicada promulgação da renegociação de dívidas do Simples Nacional

Compartilhe
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram
Publicada promulgação da renegociação de dívidas do Simples Nacional

Em dezembro de 2021, o Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional (Relp) foi aprovado pela Câmara dos Deputados, mas foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro no início deste ano.

A Presidência da República alegou na mensagem do veto que a renegociação especial seria inconstitucional, descumprindo a Lei da Responsabilidade Fiscal ao implicar renúncia de receita sem fonte de compensação.

Após uma semana do veto da renegociação de dívidas do Simples Nacional ser derrubado, o Diário Oficial da União publicou no dia 18 de março de 2022 a promulgação da Lei Complementar 193.

É previsto no programa o parcelamento de dívidas com o Simples Nacional em mais de 15 anos, com desconto de multa, nos juros e nos encargos legais.

A criação do Relp foi motivada para ajudar negócios de pequeno forte que foram impactados pela pandemia da covid-19. Com o programa, as micro e pequenas empresas inscritas no Simples Nacional poderão parcelar a dívida em até 188 meses (15 anos e 8 meses). Desse total, as empresas irão pagar uma entrada parcelada em até oito vezes somadas a 180 prestações.

As parcelas terão um valor mínimo de R$ 300,00 para as micro e pequenas empresas e de R$ 50,00 para o microempreendedor individual. As multas terão desconto de até 90% e os juros de mora de até 100% dos encargos legais.

Leia também: Parcelamento de dívidas tributárias: novas regras para empresas em recuperação judicial

Modalidades

As modalidades de parcelamento vão variar de acordo com o impacto da pandemia sobre o faturamento das empresas.

Através de uma comparação entre o volume financeiro de março a dezembro de 2020 em relação ao observado no mesmo período de 2019, os contribuintes inscritos no Simples Nacional poderão aderir às parcelas de entrada e descontos diferentes. Empresas que tiveram que fechar as portas durante a pandemia também têm direito de participação.

Já para a empresa que não foi afetada pela pandemia e não tenha tido queda no faturamento, poderá dar entrada de 12,5% do valor total da dívida, parcelada em oito meses, e dividir o restante em 180 prestações.

Caso o faturamento tenha caído em 60%, o valor da entrada baixa para 2,5% da dívida total.
Qualquer dívida do Simples Nacional que tenha vencido até fevereiro deste ano (2022) poderá ser parcelada. Débitos com a Previdência Social poderão ser parcelados em até 60 meses (cinco anos).
Dívidas com outros programas especiais de parcelamento, de 2016 e 2018, também poderão ser renegociadas.

Apenas a modalidade de débitos que não receberá desconto será para parcelamento de 36 meses previstos em plano de recuperação judicial.

Se o contribuinte não efetuar o pagamento de três parcelas consecutivas ou seis alternadas, será excluído do refinanciamento, assim como se não pagar a última parcela, se for constatado fraude no patrimônio para não cumprir o parcelamento, ou ainda se não realizar o pagamento de tributos ou contribuições para o FGTS que vencerão após a adesão ao Relp também serão excluídos.

Em troca da renegociação especial, o contribuinte deverá abrir mão de recursos administrativos e de ações na Justiça contra o governo, porém não será necessário pagar os honorários advocatícios de sucumbência.

Fonte: CNN Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outros posts